Posts Tagged 'futebol'

Do raciocínio nada nada lógico

Vocês provavelmente já conhecem minha avó. A fama da velha, percebo a cada dia, corre os quatro cantos do mundo. Mas um fato que não é de conhecimento tão público assim é que na verdade toda a minha família é praticamente composta de seres excêntricos (eufemismo pra lunáticos, verdade seja dita).

Prova disso é o meu irmão por parte de pai Eric, 8 meses mais velho que eu, dono de um raciocínio lógico profundo e complexo. Só me dei conta de que ele é uma figura única nesse nosso mundo terreno na semana passada, quando recebi um e-mail maroto dele que descrevia algumas camisas de times/seleções de futebol da sua infindável coleção que ele queria se desfazer. Naquele exato instante me lembrei de um fato não muito distante.

Ao tal fato não muito distante:

Continue lendo ‘Do raciocínio nada nada lógico’

Anúncios

Minha vó mafiosa

Ceará 1 x 0 Vitória

Tô no quarto, jogando. Aparece a velha, nem bate na porta, põe a cabeça pra dentro:

– Tá perdendo ou tá ganhando, meu filho?

Respondo rápido sem perder a concentração no backhand : – perdendo.

A outra pergunta dela já tava na ponta da língua:

– E aí, ceará que dá pra virar?

Coroa descarada… ainda me fez errar o backhand.

Continue lendo ‘Minha vó mafiosa’

Rua 7, Quadra 4, Cuniã

Minha infância em Porto Velho foi uma daquelas que tu conta pros amigos com brilho nos olhos e cheiro de nostalgia exalando em cada palavra, mas não tem muito de diferente da infância da maioria dos guris da minha geração: se dividia entre acordar, estudar e RUA, com o agravante de algo que você talvez tenha lido na primeira parte do texto: CASCALHO. Todo meu bairro jazia logo acima de uma vigorosa camada quase virgem composta de terra marrom escura, pedregulhos pontudos e objetos não identificáveis.

Alguém ensina pro Google que "Porto" não tem acento.

Continue lendo ‘Rua 7, Quadra 4, Cuniã’

Dos motivos de se criar (mais) um blog

Você era daqueles moleques cheio de pretensões e achava que o time da sua sala carecia da sua habilidade para organizar o meio campo. Claro que você não entendia que o professor, de fora da quadra, gritando LEVANTA A CABEÇA, MATEUS! significava justamente que você não organizava porra nenhuma de nada.

Mesmo assim, aquele gol de placa que você marcou na 8° série contra o time do Sulapa (15 anos, 1,78 cm, 75 kg) perdura no imaginário popular na sua mente, e se não fossem as sucessivas lesões no seu menisco, você provavelmente estaria jogando nos profissionais do Flamengo, fazendo dupla com um sérvio chamado Dejan Petkovic.

Continue lendo ‘Dos motivos de se criar (mais) um blog’